sexta-feira, 9 de outubro de 2015

URANO QUER MUDAR - O Processo

URANO QUER MUDAR - O Processo

por Claudia Venturi


Foto de Cristiano Prim

Quando soube que o Círculo Artístico Teodora iria montar Urano quer Mudar, um texto que Margarida e Faleiro já haviam lido em um festival há muitos anos, achei uma proposta muito interessante, mas senti certo mistério no ar. Era final de 2012 e eu estava organizando uma atividade junto com outros integrantes do grupo, em nossa sede no Campeche, quando Brigida Miranda, a diretora, comentou detalhes de seu projeto com os atores. A ideia me pareceu ousada e revolucionária, colocar as memórias, as lembranças e objetos em um espetáculo que já estava escrito. Na ocasião Brigida pegou uma xícara, entre tantas diferentes que temos na casa, e perguntou sobre a história daquela xícara. Coincidência. Exatamente aquela xícara era a última sobrevivente do jogo de chá que minha mãe ganhou na ocasião de seu casamento. Como era única e muito bonita, resolvi presenteá-la a Margarida, pois sabia que ela colecionava xícaras diferentes e, dessa forma, a peça voltaria a fazer parte de algo grande. E assim, imersa em um mundo entre memórias e perspectivas, iniciou a minha jornada ao mundo de Urano que Mudar.
Fui chamada para fazer a produção do espetáculo, e confesso que não tive acesso à maioria das coisas que estavam acontecendo. A equipe era bem ativa e agilizada. Desde o início, assumi apenas as partes mais burocráticas relativas à documentação e à participação da Associação, da qual sou presidente.
José Ronaldo Faleiro, Brigida Miranda e Margarida Baird
após espetáculo no SESC prainha, em agosto de 2013
O processo foi relativamente rápido e envolvia atores, assistentes, diretores e o próprio autor que estava presente em cada ensaio. Aos poucos, fomos percebendo o quanto o espetáculo estava ficando emocionante, pela pessoalidade que assumiu essa versão na qual a própria relação dos atores foi colocada em cena, além da dedicação inquestionável de toda a equipe, que não era pequena.
“Um casal de atores prepara a mudança de casa, e redescobre o texto de um espetáculo que nunca chegaram a montar. Envolvidos nas lembranças de mais de cinquenta anos de palcos, eles passam a viver a história de um amor improvável que se passa em um cemitério. Memória ou invenção? Vida ou morte? Mudança ou destino? Quem se atreve a responder antes do caminhão de frete chegar?
Juntos pela primeira vez em cena Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro”. (Rogério Christofoletti)
Ah, os atores... Contracenando pela primeira vez após anos de casados. Todos esperavam ver Faleiro em cena, já que ele raramente nos presenteia com interpretações teatrais... Todos amam ver Margarida em cena... E todos queriam vê-los juntos em cena!
Embora o texto final tenha colocado diálogos entre os atores, e não apenas entre os personagens, ele se tornou uma aventura emocionante e questionadora para todos que assistem ao espetáculo, independente de conhecerem ou não os atores e pessoas envolvidas no processo.
Para Margarida Baird, “Dar vida à Urano quer Mudar, levantar o espetáculo foi instigante. O texto estava encostado, quieto, há 10 anos. Houve uma ou duas tentativas de montagem e tudo naufragava. A ideia de Brígida Miranda de colocá-lo em meio à desordem de uma mudança do casal José e Margarida foi excelente. Passamos um verão inteiro em ensaios, descobertas e redescobertas, junto com o autor, Rogério Christofoletti, que ia criando o texto final à medida que ia sendo solicitado. A personagem Fenícia, seu aprisionamento diante da imposição do destino que lhe é dado, leva à reflexão de quanto deixamos de viver por conta dos paradigmas enterrados em nossa mente. É preciso coragem para romper com eles, mesmo que o preço seja a própria vida! Desafiador!”

Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro, leitura de Urano quer Mudar,
a primeira leitura do texto com os atores.
Nossa equipe estava sempre presente e bem disposta; a diretora Brigida sempre coordenando as atividades e distribuindo funções. Os assistentes providenciando tudo o que era necessário, desde o lanche até os equipamentos. Contamos com dois super iluminadores – Ivo Godois e Priscila Costa – que criaram efeitos surpreendentes para aclimatar o espetáculo no palco e também do lado de fora da casa. Tivemos assessores que trabalharam o corpo e a voz dos atores, estilistas que se dedicaram a criar um figurino que se adaptasse ao contexto e uma musicista que, junto com o autor, compôs as musicas cantadas pelos atores. E, para nossa sorte, pudemos contar com um autor – Rogerio Christofoletti - que generosamente emprestou o seu tempo para acompanhar os ensaios e teve a abertura e o desapego para se permitir reescrever o próprio texto, adaptando-o a uma nova proposta:
Urano Quer Mudar surgiu em 2003 para uma única apresentação no FUTB, em Blumenau. Foi um texto que resultou do trabalho que fiz com Alfredo Megna, dramaturgo e professor argentino e que conduziu durante dois anos um projeto de supervisão dramatúrgica com autores catarinenses. Urano não é um resultado direto. Urano Quer Mudar foi dirigido por Pepe Sedrez e encenado com atores da Cia Carona. Uma única vez. Fizemos uma leitura dramática depois disso, já com Margarida e Faleiro, e nos prometemos montar o texto algum dia... Dez anos depois, isso aconteceu. Eu havia me aposentado da dramaturgia, mas Margarida e Faleiro me convenceram a voltar. Então, resolvi atualizar o texto, com novas camadas narrativas e falas dirigidas especificamente para os atores...
Boa parte da minha produção teatral é programática. Isto é, recebo encomendas e aí escrevo para que o texto caiba na boca dos atores, e aí vou calibrando conforme os ensaios. Foi assim com Urano. E o texto que temos hoje é voltado, dirigido e dedicado aos atores Faleiro e Margarida... Conservei um núcleo de ideias originais - um amor improvável, a tensão entre livre arbítrio e destino -, mas trouxe mais elementos, como o diálogo com a arte e com a memória...”
Rogerio Christofoletti, José Ronaldo Faleiro e Margarida Baird,
em debate após o espetáculo, no SESC Prainha, 13/04/2013

Para completar o processo, contamos com a sede do Círculo Artístico Teodora, a nossa Casa Teatro, no Campeche, tão delicadamente cuidada pela atriz Margarida, onde ensaiamos, estreamos e onde voltaremos a apresentar agora, dois anos depois.


 Hoje, após a estreia do espetáculo, várias apresentações e um período afastados dos palcos, posso dizer que todos crescemos com o processo e estamos muito felizes de poder colocar em cena novamente esse lindo espetáculo, porque Urano quer voltar, Urano está voltando e ainda Urano quer Mudar!



URANO QUER MUDAR apresentará na Mostra QUINTAIS CÊNICOS, do Festival Floripa Teatro ISNARD AZEVEDO, no dia 18 de outubro, às 20 horas, em nossa Casa Teatro - Servidão Cravo Branco, 236 - Campeche. Informações pelos telefone: (48) 3304-0966 e 9113-1002